quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Eliézer de Mello Silveira denunciou Luiz Mott ao Ministério Público Federal da Bahia: APOLOGIA DE CRIME DE PEDOFILIA. Luiz Motta, professor universitário, líder do movimento gay, petista, esquerdista, marxista e socialista da Universidade Federal da Bahia, agraciado por LULA por medalha, se orgulha de ter tido relações sexuais com mais de 500 homens, deve ir URGENTE PARA CADEIA POR FAZER APOLOGIA A PEDOFILIA. Um abismo chama outro abismo!

Eliézer de Mello Silveira denunciou Luiz Mott ao Ministério Público Federal da Bahia: APOLOGIA DE CRIME DE PEDOFILIA. Luiz Motta, professor universitário, líder do movimento gay, petista, esquerdista, marxista e socialista da Universidade Federal da Bahia, agraciado por LULA por medalha, se orgulha de ter tido relações sexuais com mais de 500 homens, deve ir URGENTE PARA CADEIA POR FAZER APOLOGIA A PEDOFILIA. Um abismo chama outro abismo!

http://luis-cavalcante.blogspot.com/2011/12/eliezer-de-mello-silveira-denunciou.html

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

VÍDEO - Como Glorificar a Deus no Trabalho por John Piper

Como Glorificar a Deus no Trabalho Por John Piper
Após duas semanas na Austrália, finalmente estou em casa. Estou transbordando de gratidão a Deus por Seus servos que lá estão, e pelo prazer de trabalhar juntamente com eles em Brisbane, Sidney e nas montanhas de Katoomba.

Uma das conferências intitulava-se Comprometidos e era destinada aos "jovens trabalhadores", o que, em seu dialeto, significa jovens profissionais em ambiente de trabalho. Perguntaram-me, em uma entrevista, se considerava o foco desta conferência uma boa ideia. Respondi que sim, pois 1 Coríntios 10:31 diz: " Portanto,quer comais quer bebais, ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus."


Então perguntaram: Como jovens trabalhadores podem glorificar a Deus no trabalho? E eis a essência de minha resposta... Para ler o restante do post, clique aqui.









Fonte: http://www.youtube.com/editorafiel#p/f/1/h6DtfVzmCU8


Divulgação: http://luis-cavalcante.blogspot.com

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Peter Drucker e o liberalismo

Peter Drucker e o liberalismo


A verdadeira raiz da liberdade está no movimento conservador, que ele corretamente apontou ser aquele que realizou a Revolução Americana.
"O segredo e a existência de nossa era não são a libertação e o desencontro do eu. Do que ela representa, o que deseja, o que criará - é o terror".

 Thomas Mann, em A Montanha Mágica

Foi que grande prazer que reli trechos do livro Melhor de Peter Drucker: Homem, Sociedade, Administração (São Paulo, Editora Nobel, 2001). Meus leitores devem se lembrar da resenha que fiz de outro livro dele, no qual sublinhei ter sido Drucker o único autor que, ainda nos anos setenta, fez o diagnóstico correto da sociedade norte-americana, apontando seu caráter coletivista, e foi ele o profeta da crise que se instalou desde 2008 (Economia Política da Crise). O autor fez o seguinte diagnóstico:

"1. A economia baseada em produtos primários "desatrelou-se" da economia industrial; 2. Na própria economia industrial, a produção desatrelou-se do emprego;3. Os fluxos de capital e não o comércio de bens e serviços tornaram-se o instrumento e a força motriz da economia mundial. É possível que os dois não tenham se desatrelado, mas o elo ficou bastante solto e, o que é pior, totalmente imprevisível. Essas mudanças são permanentes e não-cíclicas."

Drucker não tinha ainda vivido para ver o deslocamento de parte importante da base industrial dos EUA para a China, fenômeno que não tinha como imaginar. Em paralelo, multiplicou-se nos EUA (e no resto do mundo) a clientela do Estado, sob muitos pretextos - raciais, de sexo, recrutados para as guerras -, de tal modo que uma vasta camada de desocupados ou improdutivos passou a viver de renda estatal. Sem nenhum planejamento e até mesmo consciência do processo, os EUA construíram uma sociedade de bases coletivistas, que agora está em crise.

Drucker foi verdadeiramente clarividente quando escreveu: "A terceira mudança fundamental é o surgimento da economia simbólica - movimentos do capital, taxas de câmbio e fluxo de crédito - como diretriz da economia mundial, no lugar da economia real: o fluxo de bens e serviços - e acima de tudo, independente desta. É a mais visível e, no entanto, a menos compreendida das mudanças." Diante dele desenvolvia-se a economia mefistofélica do dinheiro falso, ancorada nas teorias dos irmãos siameses Milton Friedman e Keynes.

Coloco esse assunto como prolegômeno deste artigo. Peter Drucker foi muito mais do que um teórico da Administração. Foi um filósofo que percebia com muita nitidez o que se desenrolava ao seu tempo, que é o nosso tempo. Adiante ele vai incursionar pela filosofia política e aqui foi incisivo:

"É tido quase como um axioma na literatura política e histórica nossa liberdade ter raízes no Iluminismo e na Revolução Francesa. Essa crença é de tal modo generalizada, sua aceitação tão completa, que os descendentes do racionalismo do século XVIII apropriaram-se da palavra Liberdade, denominando-se liberais."

E mais: "Há uma linha reta que liga Rousseau a Hitler - uma linha que abrange Robespierre, Marx e Stalin. Longe de serem as raízes da liberdade, o Iluminismo e a Revolução Francesa representam as sementes do despotismo totalitário que hoje ameaça o mundo."

Claro que Drucker, como todos os grandes intelectuais do seu tempo, investigava a causa final do totalitarismo. E a achou. Ao contrário dos liberais tolos que enveredaram pela senda dos direitos humanos e da crença essencial no Estado como ente (ainda que reduzido) que pudesse salvar os homens dele mesmo, Drucker, como Leo Strauss, Eric Voegeline e outros filósofos do mesmo nível apontaram o dedo na direção certa: Roussseau e, com ele, toda a tradição totalitária que remonta a Epicuro.

Se Drucker aceitava as teses do livre mercado e do liberalismo econômico, não podia deixar der ver na vertente liberal o elemento revolucionário da mesma natureza que o marxismo. Ao escrever essas linhas provavelmente atraiu contra si a ira de muitos dos contemporâneos. Pode-se perceber que, do ponto de vista da filosofia política,Drucker foi essencialmente um conservador. Argumenta então duramente contra a razão, essa deusa entronizada pelo Iluminismo, ficando subentendido na exposição que forças superiores atuam na história. Ele completou:

"Todos os dogmas básicos do racionalismo durante os últimos cento e cinqüenta anos não foram apenas irracionais, mas basicamente anti-racionais. Isso foi verdade no racionalismo filosófico dos iluministas que proclamava a racionalidade inerente do homem e no racionalismo utilitarista da geração de 1848 que viu na ganância do indivíduo o mecanismo pelo qual a "mão invisível" da natureza promovia o bem comum. E é particularmente verdade no racionalismo do século XX que considera o homem determinado psicológica e biologicamente. Cada um desses princípios neganão só o livre-arbítrio, como também a razão humana. E cada um desses princípios pode ser transformado em ação política apenas pela força e por um governante absolutista."

Recuperar essa análise de Peter Drucker é essencial no momento, pois a crise que se desenrola está fazendo com que esses liberais "absolutistas" voltem com seus argumentos de outrora, sofismando ao dizer que o totalitarismo tem os meios para fazer superar as crises. Estamos vendo a Europa e o euro derreterem. A verdadeira raiz da liberdade está no movimento conservador, que ele corretamente apontou ser aquele que realizou a Revolução Americana. Os economistas de fachada liberal, apoiados em Friedman e Keynes, insistem em apregoar que sabem os caminhos que minoram o sofrimento humano, desde que tenham o poder absoluto para implantar o que julgam ser o mais racional. Mais Estado e não menos Estado, o chamado Estado mundial, é por isso que clamam os supostos liberais no momento, baseados em seu utilitarismoconsequencialista. Ler Drucker é um antídoto contra essas tentações totalitárias.

A conclusão de Peter Drucker não pode ser esquecida: "O mergulho de Rousseau no absoluto irracional tornou os conceitos básicos do Iluminismo politicamente eficientes." Cabe lutar para que, de novo e de novo, o totalitarismo não triunfe. É uma questão de vida ou de morte.



Divulgação: http://luis-cavalcante.blogspot.com

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Lewis y Bonhoeffer como modelos de vida universitaria

Lewis y Bonhoeffer como modelos de vida universitaria

Clique no linka abaixo para acessar a matéria:
http://cienciasdareligiaoreformacional.blogspot.com/2011/08/lewis-y-bonhoeffer-como-modelos-de-vida.html


Divulgação: http://luis-cavalcante.blogspot.com/

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA REFORMADA

Reformar a Sociedade Brasileira através da Reforma da Educação
e Cultura a partir da Cosmovisão Cristã, Reformada e Calvinista.

http://educacaoeculturareformada.blogspot.com/

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

A desonestidade científica de Ulisses Capozzoli: 171 epistêmico sobre o status de teorias científicas no contexto de justificação teórica

A desonestidade científica de Ulisses Capozzoli: 171 epistêmico sobre o status de teorias científicas no contexto de justificação teórica

Clique no link abaixo para acessar a matéria:
http://biologiareformacional.blogspot.com/2011/08/desonestidade-cientifica-de-ulisses.html



Divulgação:

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA REFORMADA

Reformar a Sociedade Brasileira através da Reforma da Educação e Cultura a partir da Cosmovisão Cristã, Reformada e Calvinista.
http://educacaoeculturareformada.blogspot.com/

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

VOCÊ É O NOSSO CONVIDADO ESPECIAL: Café da Manhã da UPH/IPO com Humberto Cagno

VOCÊ É O NOSSO CONVIDADO ESPECIAL: Café da Manhã da UPH/IPO com Humberto Cagno

VOCÊ É O NOSSO CONVIDADO ESPECIAL:
Café da Manhã da UPH/IPO com Humberto Cagno

TEMA:
Compatibilizando a Espiritualidade com o Trabalho.

PALESTRANTE:
Humberto Cagno
Presidente da Siemens Enterprise Communications para América Latina e Brasil e Presbítero da Igreja Presbiteriana do Alphaville e envolvido em vários ministérios na área de evangelização/missões, voluntariado e crescimento espiritual e ocupa a coordenação do Ministério dos Homens da Igreja.


Data: 06/08/2011 d.C - SÁBADO
Horário do Café: 8h00 às 9h00

Horário Palestra/Evento: 9h00 às 11h00

Local: Igreja Presbiteriana do Brasil em Osasco/SP

Rua Rev. Paulo Lício Rizzo, 207 - Centro

Osasco - SP - CEP.: 06018-010



ENTRADA FRANCA:

Confirmar a presença no fone (11) 3448-3124 ou
pelo e-mail: prof.luiscavalcante@bol.com.br


Divulgação:

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Abriram as Inscrições para o Congresso de Psicologia e Cristianismo no Mackenzie!

Abriram as Inscrições para o Congresso de Psicologia e Cristianismo no Mackenzie!


O Mackenzie vem oferecendo há vários anos congressos internacionais de grande porte onde são tratados temas relevantes para a comunidade acadêmica e para o público em geral. Nestes congressos procura-se abordar os assuntos do ponto de vista da confessionalidade cristã reformada do Mackenzie em diálogo com outros olhares e entendimentos.

Este Congresso sobre Psicologia e Cristianismo segue esta linha de abordagem. Os principais palestrantes, Dr. David Powlison e Dr. Eric Johnson, são doutores formados em universidades seculares na área de psicologia, e tratarão do tema do ponto de vista cristão. Outros palestrantes, igualmente preparados, lançarão um olhar secular e crítico sobre esta relação entre fé e psicologia.

É um momento inédito, em que uma Universidade de grande porte e renome encara o assunto Psicologia e Cristianismo pelo viés cristão sem perder o diálogo com outras abordagens do tema.

As inscrições já estão abertas. CLIQUE AQUI para se inscrever e para mais informações.

As palestras serão transmitidas ao vivo pela internet e ficarão disponíveis para download gratuito após o evento.

Fonte: http://tempora-mores.blogspot.com/2011/07/abriram-as-inscricoes-para-o-congresso.html
+++++

Divulgação: http://luis-cavalcante.blogspot.com

Apoio:

FRENTE BÍBLICA E POLÍTICA DE UNIDADE de Cristãos, Reformados, Calvinistas, Puritanos, Evangélicos, Teonomistas e Pentecostais para Orientação e Organização Política e Estabelecimento da Moral nas Eleições de 2012 e 2014 no Estado de São Paulo.
http://educacaoeculturareformada.blogspot.com/2011/07/frente-biblica-e-politica-de-unidade.html

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Atenção todos os reformados, calvinistas, presbiterianos e empreendedores. Palestra gratuita: Palestra de Economia Digital, onde será discutido: o mercado de Mobile, publicidade online e a integração social, educacional, tecnológica, entre outras tendências e oportunidades de mercado

A Distrital Centro da Associação Comercial de São Paulo e o FJE- ACSP Núcleo Centro, tem a honra de convidar V.S.a para a Palestra de Economia Digital, onde será discutido: o mercado de Mobile, publicidade online e a integração social, educacional, tecnológica, entre outras tendências e oportunidades de mercado.


Com os especialistas:

Pedro Anisio de Luna e Silva – CEO da Parsec. Digital.

Tablets e a Indústria de Tablets no Brasil.

Luis Felipe Cota – Co-Fundador da Goomark Publicidade On Line.

Dicas de como vender pela internet

Patrícia Barardi – Gerente de Negócios da Supportcomm

Soluções de SMS para micro e pequenas empresas

SUA EMPRESA PRECISA ENTRAR NA ECONOMIA DIGITAL

ESTA É A OPORTUNIDADE!

Agenda:

18:30 às 19:00 Pré-networking

19:00 às 20:30 Painel Economia Digital

20:40 às 21:00 Networking e coquetel

Data: 21 de Junho de 2011 (terça-feira) Local: Auditório da ACM – Associação Cristã de Moços - Rua Nestor Pestana, 147, Centro Inscrições: 3208-4096 / 3208-5753 ou dcentro@acsp.com.br

Realização:

Parceria:

Palestra gratuita!


Divulgação: http://luis-cavalcante.blogspot.com/

segunda-feira, 13 de junho de 2011

GESTÃO POR PROCESSOS - Evento Gratuito

GESTÃO POR PROCESSOS - Evento Gratuito

Data: 28 de junho de 2011
Horário: 19h30 às 21h00


Local: Fundação Vanzolini
Av. Paulista, 967 – 5º andar


Gestão Por Processos: A necessidade da evolução de uma estrutura funcional departamentalizada para uma estrutura de Gestão por Processos


Objetivo:


Organizar uma Companhia em torno de funções; trabalhos em torno de tarefas num mundo competitivo como o atual não é mais adequado. É necessário que as atividades empresariais sejam vistas não em termos de funções, departamentos ou produtos, mas como PROCESSOS CHAVE.


Público-Alvo:


Empresários, Diretores, Dirigentes, Gerentes e Técnicos de micro e pequenas empresas.


CONTEÚDO PROGRAMÁTICO


Introdução
Gerenciamento Tradicional
Gerenciamento por Processos e a necessidade de mudança de departamento para o processo chave
Equipe da Gestão por Processos
Definição dos processos chave para serem melhorados
Algumas das principais ações a serem tomadas.


Palestrante: Roberto Gilioli Rotondaro


Mestrado e Doutorado em Engenharia pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo - EPUSP; Diretor da Área de Desenvolvimento Gerencial da Fundação Carlos Alberto Vanzolini; 25 Anos de Experiência na Indústria nas Áreas de Engenharia de Processos, Qualidade, Produção. Professor Doutor do Departamento de Engenharia de Produção da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo - EPUSP; Coordenador do MBA Gestão de Operações Produtos e Serviços do Departamento de Engenharia de Produção da EPUSP; Black BELT Seis Sigma;Coordenador do Livro; Seis Sigma – Estratégia Gerencial para a Melhoria de Processos, Produtos e Serviços Edt. Atlas 2002


INSCREVA-SE JÁ,
clique aqui
http://www.fiesp.com.br/micro-empresa/curso-palestra/palestra/gestaoporprocessos_vanzolini.aspx?utm_source=newsletter&utm_medium=email&utm_campaign=conv-dempi-gestao-processos




INFORMAÇÕES:


Departamento da Micro, Pequena e Média Indústria da FIESP
Telefones: (11) 3549-4232/4446/ 4453
e-mail: cursos@fiesp.org.br


REALIZAÇÃO:


Federação das Indústrias do Estado de São Paulo - FIESP
Departamento da Micro, Pequena e Média Indústria - DEMPI
Fundação Vanzolini
 
Divulgação: http://luis-cavalcante.blogspot.com/

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Tecnologia: O que há por trás da aquisição da Skype pela Microsoft por US$ 8,5 bilhões?

Rumores de que o Facebook ou a Cisco comprariam a Skype foram desmentidos na terça-feira quando a Microsoft, numa transação de US$ 8,5 bilhões, comprou o serviço de comunicação por voz e vídeo online. A maior parte dos analistas saudou a aquisição classificando-a de jogada inteligente, uma vez que coloca a Microsoft na vanguarda dos mercados emergentes de vídeo e telefonia virtuais. Contudo, há quem duvide disso, uma vez que a aquisição prévia da Skype pelo eBay terminou em baixas contábeis de US$ 1,4 bilhão. Será que a Microsoft e a Skype conseguirão uma boa sintonia cultural? A Microsoft teria pago um preço alto demais por uma empresa que continua a dar prejuízo? A Knowledge@Wharton discutiu essas e outras questões com Eric Clemons e Kevin Werbach, professores da Wharton.

http://www.wharton.universia.net/index.cfm?fa=viewArticle&id=2066&language=portuguese

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Empresários e Empreendedores Reformados e Calvinistas: ENCONTRO EMPRESARIAL BRASIL - SUÉCIA

Evento: Encontro Empresarial Brasil-Suécia

Local de realização:

Edifício Sede da FIESP - Espaço FIESP

Data do evento: 18/5/2011

Horário do evento: 09:30 às 13:00

Programa: ENCONTRO EMPRESARIAL BRASIL - SUÉCIA

Com a presença do Primeiro Ministro do Reino da Suécia, Fredrik Reinfeldt


Programa

09h30 - Credenciamento e Café de Boas Vindas

10h00 Abertura

- Pronunciamento do Vice-Presidente da FIESP, Sr. João Guilherme Sabino Ometto
- Pronunciamento do Primeiro Ministro Fredrik Reinfeldt

10h30 Introdução ao Debate

10h35 Pesquisa e Inovação para uma Economia Verde

10h45 Construção Sustentável

11h05 Infraestrutura e Transporte Sustentável

11h25 Resíduos Sólidos e Água

11h45 Debate entre os Integrantes da Mesa e Perguntas Escritas do Público

12h15 Encerramento


Faça a inscrição online

sábado, 30 de abril de 2011

CONSTRUINDO UM BRASIL COMPETITIVO - Inovação e Sustentabilidade - Universidade Presbiteriana Mackenzie

PALESTRAS DA 10ª SEMANA DO CCSA - CAMPUS SÃO PAULO - Universidade Presbiteriana Mackenzie

CARLOS ALBERTO SARDENBERG
Palestra de Abertura: Sustentabilidade e Inovação: Perspectivas para a Indústria no
Quadro Econômico Nacional
Data: 09/05/2011 Local: Auditório Ruy Barbosa Horário: 20 horas

LUIZ PAULO ROSENBERG

Palestra: Corinthians: em Case de Marketing

Data: 09/05/2011 Local: Auditório Ruy Barbosa Horário: 10 horas
 
DAVID NEELEMAN
Palestra: A Excelência na Prestação de Serviços
Data: 10/05/2011 Local: Auditório Ruy Barbosa Horário: 18h30min

CONSTANTINO OLIVEIRA JÚNIOR
Palestra: Perspectivas e desafios para a aviação na Copa de 2014
Data: 10/05/2011 Local: Auditório Ruy Barbosa Horário: 20h30min

JOSÉ ANTÔNIO FERNANDES MARTINS

Palestra: Inovação Caminho para Crescimento

Data: 11/05/2011 Local: Auditório Ruy Barbosa Horário: 20 horas

DR. CLAUDIO FELISONI DE ANGELO
Palestra: Crescimento e distribuição de renda: a sustentação de padrões mais elevados de consumo
Data: 12/05/2011 Local: Auditório Ruy Barbosa Horário: 10 horas

JAYME BRASIL GARFINKEL
Palestra: Mercado Segurador Brasileiro em Perspectiva

Data: 12/05/2011 Local: Auditório Ruy Barbosa Horário: 20 horas

LUIZ FELIPE SCOLARI
Palestra: Liderança e Gestão de Equipes

Data: 13/05/2011 Local: Auditório Ruy Barbosa Horário: 20 horas

INSCRIÇÕES: http://www.mackenzie.br/eventosccsa.html

Fonte: http://www.mackenzie.br/fileadmin/Graduacao/CCSA/Administracao/Briefing_dos_Palestrantes_10_Semana_CCSA_SP__2_.pdf

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Como manter um fluxo de caixa saudável

Clique no link abaixo para acessar a matéria;
http://professorluiscavalcante.blogspot.com/2011/04/como-manter-um-fluxo-de-caixa-saudavel.html

ESTUDO: Fé melhora a vida das pessoas no Brasil, diz pesquisa

Dados sobre o hábito de consumo brasileiro mostram que os emergentes são mais devotos que a elite e que isso contribui para a melhora de vida

Uma pesquisa sobre o consumo nas classes sociais brasileiras revela que os emergentes são mais devotos que a elite e que a fé dá esperança para que a pessoa procure uma vida melhor e prospere.

O Data Popular, instituto que pesquisa o mercado popular no Brasil, elaborou um estudo sobre os hábitos de consumo nas classes mais baixas e achou relevante coletar os dados sobre o pagamento do dízimo na sociedade brasileira.

O resultado dessa pesquisa revela que 8% da classe AB (com renda maior que 10 salários mínimos) entrega o dízimo, enquanto que na classe C (renda de 4 a 10 s.m.) 18% o fazem e na classe D (entre 2 e 4 s.m) 23% tem o hábito de entregar o dízimo.

De acordo com Renato Meirelles, sócio-diretor do instituto, isso prova que “os emergentes são mais devotos que a elite e que sua fé contribuiu para que melhorassem de vida”.

Ele explica o fato dando um exemplo bastante comum, parecido com o que ouvimos sempre em testemunhos nas igrejas evangélicas:

“Um cara que chegou do nordeste e ainda está desambientado na cidade, procurando emprego etc e tal. Esse cidadão passa em frente à igreja e alguém o cumprimenta com simpatia e o convida para entrar, e ainda o deixa sentar na primeira fileira, o que contribui para elevar sua autoestima e a crença em si mesmo. Esta sensação de acolhimento, somada ao discurso de fé, faz com que este cidadão, antes inseguro, comece a acreditar em si mesmo, e com isso, invista em sua educação, e ganhe fôlego para procurar um emprego melhor.”

Mais do que um milagre do ato de dizimar, o pesquisador mostra que a igreja cria um ambiente que faz com que essa pessoa amplie seus círculos de amizades e isso também ajuda com indicações de trabalhos e direcionamento em todos os setores de sua vida.

Se o homem citado no exemplo de Renato Meirelles conseguisse um emprego e passasse a ganhar um salário de R$900,00 (estaria enquadrado na classe E – até 2 salários mínimos) e depois de alguns meses conhecesse na igreja e se cassasse com uma mulher que ganhe R$800,00 eles passarão a ter uma renda familiar de R$1.700,00 o que compreende a classe D.

Podemos notar que o discurso das ministrações é que faz a pessoa mudar de atitudes e consequentemente passe a viver em um patamar financeiro melhor. “A igreja mostra que é possível melhorar de vida, e este cidadão munido de fé, renova sua autoestima e esperanças, e consequentemente, prospera”, diz Renato Meirelles.


Fonte: Gospel Prime e http://www.creio.com.br/2008/noticias01.asp?noticia=13273

quarta-feira, 13 de abril de 2011

I FORUM DE ESPIRITUALIDADE NAS ORGANIZAÇÕES NO MACKENZIE - Entrada Franca



PROGRAMAÇÃO

13/04/2010
CONFERÊNCIA DE ABERTURA
Tema: Perspectivas sobre trabalho na Filosofia, na Teologia e na Pesquisa
Conferencista: Ms. Solano Portela - Diretor de Finanças e Planejamento - IPM
Local: Auditório João Calvino
Horário: 20h00

14/04/2010 - PALESTRAS
Local: Auditório João Calvino
09h00 às 12h00

Palestra 1: Trabalho na Visão Calvinista
Palestrante: Dr. Hermisten Maia Pereira da Costa – PPG Ciências da Religião - UPM
Local: Auditório João Calvino
Horário: 09h00

Cooffe Break: Saguão do Auditório João Calvino
Horário: 10h00 às 10h30

Palestra 2: Espiritualidade, Dignidade e Mentoring
Palestrante: Dra. Sonia Calado Dias - PPGA - UBV
Local: Auditório João Calvino
Horário: 10h40

14/04/2010 - MESA REDONDA
Local: Auditório João Calvino
13h30 às 15h30

Moderador: Dr. Augustus Nicodemus Gomes Lopes

Cooffe Break: Saguão do Auditório João Calvino
Horário: 13h30

Tema 1 (14h00): Espiritualidade e o Ambiente de Trabalho: desafios à gestão
Palestrante: Dr. Leonildo Silveira Campos – PPG Ciências da Religião – Metodista

Tema 2 (14h30): Espiritualidade na Universidade Presbiteriana Mackenzie
Palestrante: Dr. Roberto Borges Kerr – UPM

Encerramento: 15h30

Fonte: MACKENZIE

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Empresas geridas por cristãos combinam vocação e empreendedorismo

Ken Crowell, empresário de setenta e cinco anos de idade, caminha em meio às linhas de montagem de sua indústria, a Galtronics, situada na Galiléia, norte de Israel. Especializada na fabricação de componentes eletrônicos, a fábrica produz antenas para equipamentos sem fio e é fornecedora de gigantes como a Motorola e a Samsung, tendo já batido a marca de um bilhão de unidades vendidas. Satisfeito, Crowell passeia pelas instalações da empresa conversando com os sorridentes trabalhadores, todos vestidos de azul escuro. Um visitante desavisado que os visse assim, uniformizados, poderia ter a impressão de que se trata de um grupo homogêneo, composto por trabalhadores com origem e estilo de vida semelhantes. Engano. Ali, mais de 300 operários árabes, judeus e cristãos trabalham juntos e em paz, alheios às desavenças que fazem seus conterrâneos se digladiarem lá fora. Alguns desses empregados já estão na indústria há mais de vinte anos. Eles desfrutam de ótimos salários e benefícios trabalhistas – inclusive, bufê a custo subsidiado no almoço, do tipo “coma tudo o que puder”.

Um letreiro na entrada do prédio da Galtronics com os dizeres “Entrega o teu caminho ao Senhor, confia nele, e o mais ele fará”, o texto do Salmo 37.5, revela a fé de seu proprietário. Crente em Jesus, Ken Crowell é um dos pioneiros em um tipo de visão empresarial que tem ganhado corpo ultimamente: é o chamado modelo BAM, sigla em inglês para Business as Mission (Negócios como missão). Combinar negócios com obra de Deus é uma idéia geralmente vista com desconfiança, mas atualmente, empreendimentos de orientação evangélica como a Galtronics estão se expandindo rapidamente por todo o mundo, como parte de um movimento em ascensão que visa gerar riquezas tanto temporais quanto espirituais. O dono descreve sua visão quando implantou a empresa, em 1978: “O chamado era primeiramente para ir a uma área onde houvesse pouco ou nenhum testemunho cristão, para dar emprego a crentes e a não-crentes em um ambiente seguro de trabalho – e, dessa maneira fornecer o apoio necessário para a edificação de uma igreja local”.

A coisa deu tão certo que a Galtronics já viu nascer de suas fileiras uma igreja que hoje tem 400 membros. Ao mesmo tempo, os negócios vão muito bem, obrigado. O grupo já inaugurou unidades na China e na Coréia do Sul, além de cinco outras fábricas de menor porte em outros pontos da Galiléia. “Elas são gerenciadas por crentes que conhecem a visão da empresa”, afirma Crowell. O fenômeno tem vários nomes: “Negócios do Reino”, “empresas do Reino”, “missões a favor do lucro” ou “empresas da grande comissão”, para citar apenas alguns. Os observadores concordam que o movimento já é imenso e está crescendo em ritmo acelerado. “Esta é a grande tendência do momento e todos estão querendo participar”, afirma Steve Rundle, professor associado de economia da Biola University e autor do livro Great Commission Companies (“Empresas da grande comissão”), lançado em 2003. Ele já tem outra obra do gênero no prelo, a ser lançada com o título An Overview of Business as Mission, algo como “Uma visão geral dos negócios como forma de se fazer missões”, escrito em co-autoria com Neal Johnson, especialista em BAM.

Lucros e bênçãos

Os empresários do movimento utilizam os empreendimentos comerciais não apenas como forma de obter retorno financeiro, mas a fim de gerar empregos, prestar serviços à sociedade e servir de veículo para a disseminação do Evangelho. O negócio em si é um meio de divulgar a fé em Cristo e plantar igrejas. E cada vez mais, empresas do gênero adquirem um tom de globalidade, gerando empregos em países em desenvolvimento – o que as faz diferir diametralmente da visão missionária tradicional, quando o máximo que se fazia era o assistencialismo. Além disso, fazem discípulos que levam a Palavra a uma comunidade maior e mais difícil de ser alcançada: o mundo corporativo.

No ano passado, o jovem Bill Yeager, 28 anos, de Montrose, cidade do estado norte-americano do Colorado, investiu o equivalente a R$ 80 mil de suas economias, obtidas com o sucesso de sua empresa de software, em uma idéia radical. Filho de ex-missionários no Quênia, Yeager começou identificando e treinando mais de 1.200 fazendeiros naquele país africano para que cultivassem cebola orgânica. Nascia o Yeager Kenya Group, cujo objetivo é a exportação para o crescente mercado de comida natural na Europa e nos Estados Unidos.

“Compreendi que podia abrir um negócio com o objetivo de melhorar a vida daquele povo”, declara o engajado Yeager. Com outros R$ 140 mil de investidores externos, ele está completando o caro treinamento do seu primeiro grupo de produtores agrícolas, todos membros de igrejas evangélicas quenianas. Ao fim do processo, a renda de cada um poderá saltar de irrisórios R$ 1 mil por ano para R$ 20 mil no mesmo período. “É arriscado, mas acredito de todo o coração que esse negócio irá decolar”, sonha o empreendedor.

É difícil estimar o número atual de empresários ligados a esse modelo para lá de original de gestão de negócios. “Não somos os grandes idealizadores”, reconhece Johnny Combs, dirigente da Paradigm Engineering, empresa sediada no Texas, EUA. “Somos fazedores”, explica ele, que se tornou uma espécie de consultor do ramo. Nos últimos anos, mais de 2 mil livros e 800 organizações sem fins lucrativos vêm estimulando a combinação de trabalho e fé no ambiente profissional. Eles dedicam todos os seus esforços a uma tendência ainda mais abrangente, o empreendedorismo social,que advoga o uso do capitalismo no lugar do assistencialismo a fim de resolver dramas como o da pobreza.

Profissional do Reino

Os “bamers”, como são chamados, identificam um nicho, elaboram um plano de negócios com seriedade e então partem para a ação. Em geral eles acumulam capital ao invés de angariar fundos, pois sabem que só ideais não são suficientes para alcançar os objetivos do movimento. É preciso gerar dinheiro. Tudo começou no início da década de 1980, quando um grupo de executivos americanos formou a Intent, organização que teve papel inicial importante na eclosão do movimento das empresas espiritualmente responsáveis. Seus membros incluíam Clem Schultz, que em 1989 adquiriu o controle da AMI, uma fábrica do setor de tecnologia instalada na Ásia. Desde a juventude, Schultz, agora na casa dos 50 anos, sentia-se chamado para missões no Oriente. Só não imaginava de que maneira que cumpriria o “Ide” de Jesus. Atualmente, as vendas da AMI variam de 30 a 50 milhões de dólares anuais e sua atuação diversificou-se. O grupo, que inclui uma editora de livros baseados em princípios e valores do cristianismo, opera 10 unidades na Ásia, empregando em torno de mil pessoas.

Os elevados investimentos da holding e sua ficha de bons serviços prestados lhe renderam o favor de governos locais e nacionais asiáticos. “Recebemos enormes incentivos ao nos estabelecermos em novas áreas”, declara Schultz. Ao contrário do que se poderia imaginar, a fé não é fator determinante para a contratação – tanto que os cristãos estrangeiros na força de trabalho da AMI totalizam apenas 5% do efetivo, representando oito diferentes nacionalidades. Mas o testemunho que dão é marcante, mesmo em um continente de pouca tradição cristã. “Quando as pessoas vêem gente oriunda da África do Sul, dos Estados Unidos ou da Inglaterra compartilhando o mesmo local e a mesma crença em Jesus, nossa fé se apresenta muito mais robusta”, declara o executivo.

A Intent está otimista em relação às possibilidades de negócios como forma de se fazer a obra de Deus. “O dia do profissional do Reino nas missões mundiais é chegado”, anuncia a literatura distribuída pela organização. “As pessoas que ainda não ouviram o Evangelho de Jesus Cristo serão alcançadas, de forma mais relevante, por profissionais do Reino que utilizarem suas habilidades, recebidas de Deus e talhadas pelo mercado, como seu passaporte legítimo para as nações”. Esta visão contemporânea da obra missionária encontra entusiastas também aqui no Brasil.

“Retornos eternos”

“Serviços bem feitos podem mudar vidas, melhorar a sociedade e glorificar a Deus”, diz Thomas Sudyk, diretor do EC Group International, que atua no ramo de terceirização de mão de obra. A força de trabalho, no caso, é daquelas que nem sempre encontra vagas no mercado. A empresa recruta funcionários entre deficientes físicos na Índia, oferecendo-lhes treinamento na área de tecnologia da informação. “Esperamos que nossos esforços sejam vistos como bênção de Deus, através do fornecimento de empregos, de um lugar decente para se trabalhar e de um salário justo”, enfatiza Sudyk. Ele começou identificando um nicho praticamente inexplorado: transcrições de registros médicos. Contratou um gerente cristão em Chennai, na Índia, e montou o negócio fazendo um investimento de capital da ordem de R$ 300 mil. Hoje, com mais de 60 funcionários, o EC Group presta serviços para um só cliente, uma empresa médica americana que terceirizaria o trabalho da equipe indiana de Sudyk.

“O nosso negócio não é para aqueles que só estão em busca de lucro”, ressalta Ken Crowell, o proprietário da Galtronics, de Israel. “Mas se o que o empresário procura é gerar retornos eternos, em uma empresa onde pode abrir uma Bíblia no escritório ou se sentir confortável evangelizando os colegas de trabalho – conquistando frutos que as missões tradicionais talvez nunca alcancem –, este é o caminho”, ensina. (Tradução: Pedro Bianco; adaptação e redação: Carlos Fernandes)

Fé e trabalho

Em 1999, Randy Russ era o presidente e o CEO da Community Coffee, uma das maiores empresas cafeeiras dos Estados Unidos. Motivado por sua fé cristã e pela descoberta de um tipo de café de excelente qualidade em uma região da Colômbia arruinada pela guerrilha, Russ e sua empresa iniciaram um relacionamento com 500 famílias de fazendeiros naquele país sul-americano. Eles formaram uma cooperativa de ex-concorrentes para garantir a excelência e a distribuição do produto. Preços comerciais justos elevaram o padrão de vida local, e um bônus anual por desempenho é investido em projetos de desenvolvimento social.

Com o apoio de órgãos do governo, os fazendeiros construíram uma escola técnica de agricultura de nível médio, investiram em equipamento e melhoraram sua alimentação com o desenvolvimento da piscicultura. “Basicamente, a expectativa é de que milhares de outros empresários resolvam utilizar seus talentos e habilidades para negócios no compartilhar das boas novas do Evangelho através de suas atividades comerciais”, declara Russ.

Fazedores de tendas

Surgida em 2001, a Associação Brasileira de Fazedores de Tendas (AFTB) é uma entidade que congrega profissionais de diversas áreas em torno de um objetivo: fazer de sua atividade um vetor para a propagação do Evangelho de Cristo. Inspirados no exemplo do apóstolo Paulo – que, segundo o livro bíblico de Atos dos Apóstolos, exercia o ofício de fazedor de tendas como meio de sustento e aceitação social para poder pregar o cristianismo –, professores, engenheiros, advogados, médicos e agrônomos, entre pessoas de outros perfis profissionais, usam sua capacitação para viabilizar o trabalho missionário em nações ou regiões onde o evangelismo tradicional é restrito e até proibido. Segundo a Interserve, agência que envolve cerca de 750 profissionais missionários espalhados pela chamada Janela 10/40, região onde estão a maioria dos povos não-alcançados pelo Evangelho no mundo, “fazedores de tendas são discípulos de Jesus Cristo que, chamados por Deus e comissionados pela Igreja, usam seus dons, talentos e habilidades profissionais para servir ao Senhor em um contexto transcultural”.

A idéia básica é obter autorização legal para trabalhar em determinado país e, assim, poder testemunhar acerca de Cristo. Por isso mesmo, quem se envolve neste tipo de ministério é também conhecido como missionário bivocacionado. “O envio de profissionais para o campo é uma tendência das missões modernas”, afirma David Botelho, dirigente da Missão Horizontes na América Latina. “Lá, eles atuam em suas áreas de atividade secular e, paralelamente, anunciam o Evangelho de acordo com as oportunidades que ajudam a criar.” Ligada à Aliança Bíblica Universitária do Brasil (ABUB), a ABFT atua em parceria com outras organizações, como o Centro Evangélico de Missões (CEM), na capacitação missionária de profissionais. (C.F.)

Fonte: http://www.creio.com.br/2008/noticias01.asp?noticia=13199

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Facebook oferece ferramenta para transformar perfil pessoal em profissional

Recurso permite nomeação de administradores para a página, além de transformar amigos em fãs de forma automática.

Agora seu perfil do Facebook pode ser facilmente convertido a uma página de negócios, transformando todos os seus amigos em fãs. Com uma nova ferramenta disponibilizada pela rede social, você pode montar uma página para um local, produto, companhia e, até mesmo, pra você.

O recurso pode facilitar a vida de celebridades que, por falta de opção, acabavam usando os perfis pessoais como perfis profissionais. Para estas pessoas, algumas ferramentas de visulização de visitantes e nomeação de administradores prometem facilitar a vida dentro da rede social.

No entanto, nem tudo é perfeito. Com a nova página, o Facebook exclui mensagens, fotos e tudo o que estava anteriormente em seu antigo perfil. Portanto, tenham cuidado e façam backup, caso queiram testar a ferramenta. Lembrando que, pelo menos por enquanto, a decisão não tem volta.

Maiores informações no link abaixo: http://olhardigital.uol.com.br/jovem/redes_sociais/noticias/transforme_seu_perfil_do_facebook_numa_pagina_profissional

quarta-feira, 23 de março de 2011

Augustus Nicodemus comenta sobre o movimento de espiritualidade



Como eu já disse em outras postagens, sempre achei curioso, para dizer o mínimo, que liberais estejam aderindo ao movimento de "formação espiritual" ou simplesmente "espiritualidade." Não estou dizendo que todo mundo envolvido neste movimento é liberal. Conheço vários que não são. Mas certamente é intrigante ver liberais fazendo palestras sobre espiritualidade e defendendo suas práticas.

Também já mencionei antes algumas razões pelas quais, na minha opinião, isto ocorre. Essa semana pensei em mais duas delas, que permitem ao movimento de espiritualidade justificar a existência de igrejas minúsculas, que não crescem e que são voltadas para obras sociais. Ou seja, igrejas típicas dos liberais. Explico.

Primeiro, o movimento de espiritualidade ataca as igrejas grandes por fomentar o ativismo e o envolvimento dos seus membros em múltiplas atividades, sem lhes deixar tempo para meditar, jejuar, ficar em silêncio ou praticar as disciplinas espirituais. Além disto, estas igrejas grandes, conforme a análise dos espiritualistas, acabam estimulando o materialismo e a busca de posições sociais e financeiras melhores, deixando de enfocar a vida espiritual. Partindo do entendimento de que os cristãos deveriam ser mais contemplativos, alguns adeptos do movimento da espiritualidade defendem uma espécie de retiro espiritual - talvez um pouco semelhante aos monges da idade média - como o modelo ideal de cristianismo para o mundo moderno afogado em materialismo individualista, consumismo e indiferença. Assim, igrejas minúsculas, que não evangelizam, não crescem, e que vão minguando a cada ano, como as igrejas dos liberais, podem justificar esta situação de estagnação. O argumento é este: números não expressam qualidade e melhor do que evangelizar multidões e ganhá-las para Cristo é usar as igrejas como uma espécie de mosteiro evangélico, paraísos de contemplação e meditação, onde os crentes que ainda restam podem praticar os exercícios espirituais e se aperfeiçoar, enquanto esperam a morte chegar.

Segundo, o movimento de espiritualidade critica as grandes igrejas por não darem a devida atenção às questões que consideram realmente essenciais. Os espiritualistas as acusam de prosperidade, prestígio, poder e outras coisas que seriam contrárias à teologia da cruz, do sofrimento, da pobreza e da renúncia. Enquanto ficam pregando avivamento, crescimento, conversão, as grandes igrejas esquecem dos pobres, abandonados, excluídos, marginalizados que povoam as periferias e os centros das grandes cidades. Aqui, os ícones são os padres e monges maltrapilhos, sem vintém, que andam pelas ruas recolhendo os bêbados, os sem teto, os drogados e as prostitutas para lhes dar pão, sabão e abrigo. Para eles, o Evangelho reside nisto. Não Lutero ou Calvino, mas Francisco de Assis e Madre Tereza. Dessa perspectiva, igrejas liberais minguantes, cujos últimos membros ainda saem pelas ruas à noite dando o sopão aos desvalidos, podem justificar o status quo.

Bem, há vários pontos do raciocínio líbero-espiritual que me parecem corretos. Como, por exemplo, a crítica pertinente feita à mega-igrejas voltadas para prosperidade, poder e prestígio, sem tempo e sem interesse em exercícios espirituais. Aprecio também a preocupação para com os pobres e necessitados.

Todavia, algumas outras coisas precisam de reparo, como a teimosia dos liberais em não reconhecer que muito do esvaziamento violento sofrido nas suas igrejas nas últimas décadas se deve ao... liberalismo! Em vez de atacar a causa real da sangria que vem acontecendo nas denominações onde eles dominaram os seminários, as instituições e assumiram a sua direção, alguns liberais preferiram adotar uma concepção de cristianismo que justifique o declínio cada vez maior de jovens e o envelhecimento de suas igrejas locais, que é se isolar do mundo para jejuar e meditar, e depois sair para distribuir sopa.

Eu estaria realmente totalmente errado se fosse contra os exercícios espirituais como oração, meditação e jejum, ou ainda contra socorrer os pobres em suas necessidades. Eu sou contra, todavia, em se usar estas coisas como uma cortina de fumaça que oculta as verdadeiras causas da diminuição anual no rol de membros de igrejas liberais. Sou contra a idéia de que igrejas grandes não podem ser espirituais, comprometidas com questões sociais ou oferecer condições para a comunhão de seus membros. Sou contra o conceito de que small sempre é beatiful. Sou contra a idéia de que se uma igreja decadente virar uma ONG, ou um mosteiro, ela legitimiza sua situação de declínio.

Não estou defendendo o movimento de crescimento de igrejas e nem o movimento de igrejas emergentes. Muitas destas igrejas se tornaram grandes por oferecer um Evangelho distorcido, que apela para as necessidades menores e secundárias das pessoas e que deixa de tratar das maiores. Para mim, igrejas pequenas podem e têm sido uma bênção. Nem sempre igrejas são pequenas porque estão morrendo. Mas quando igrejas dominadas por liberais continuam a minguar ano após ano, enquanto aquelas que pregam o Evangelho bíblico crescem, temos de procurar a causa da estagnação na teologia destas igrejas.

Em resumo, pode haver casos em que liberais se tornam seguidores da espiritualidade dos monges da Idade Média porque mosteiros sempre foram um escape para os que nunca quiseram ir ao mundo e ganhá-lo para Cristo.

Por Augustus Nicodemus
Via O Temporas O mores
http://tempora-mores.blogspot.com/

Via: http://www.guiame.com.br/

 
Fonte: http://www.guiame.com.br/v4/106255-1692-Augustus-Nicodemus-comenta-sobre-o-movimento-de-espiritualidade-.html

quarta-feira, 9 de março de 2011

Twittando no trabalho

O Twitter, nova moda da web, parece brincadeira. Mas pode ser uma ferramenta poderosa para enriquecer sua carreira se você souber usá-la.
 
Fonte: http://vocesa.abril.com.br/desenvolva-sua-carreira/materia/twittando-trabalho-484744.shtml

domingo, 6 de março de 2011

International Conference on Ubi-Media Computing na UPM - Universidade Presbiteriana Mackenzie

Data: del 02/07/2011 al 03/07/2011

Lugar: Universidade Presbiteriana Mackenzie, Campus Consolação ( Rua da Consolação 896 )

Descrição

Realizado pela primeira vez fora da Ásia, o evento já passou pelas cidades de Tamsui, em Taiwan; e Jinhua e Lanzhou, na China.

Na ocasião, pesquisadores e cientistas de várias partes do mundo irão discutir temas como aplicativos e middleware para dispositivos móveis, transmissão em 3G e 4G, aplicações da computação embarcada nas áreas de saúde, automobilismo e educação.

Organiza

País: Brasil

Instituição: Universidade Presbiteriana Mackenzie

URL: http://nupro.ufabc.edu.br/umedia2011

Fonte: http://agenda.universia.com.br/mackenzie/2011/02/28/international-conference-on-ubi-media-computing

sábado, 5 de março de 2011

Empresa Jr. Mackenzie promove a XIX Semana de Recrutamento

A Empresa Junior Mackenzie Consultoria da Universidade Presbiteriana Mackenzie realizará entre os dias 4 e 5 de abril a XIX Semana de Recrutamento. O evento contará com a presença de mais de 20 empresas renomadas e a participação é gratuita e aberta a todos os universitários interessados.

Com o objetivo de estreitar a relação entre as empresas dos mais diversos ramos de atuação e o público universitário, as feiras de recrutamento reúnem organizações líderes de mercado e oferecem oportunidades de estágios e trainees, além de oficinas e palestras.

O evento semestral ocorre no Mackenzie há 15 anos e já contou com a presença de mais de 90 mil universitários e, aproximadamente, 100 empresas líderes de mercado. Nesta edição, haverá palestras, workshops e working days, atração na qual os visitantes passarão por um processo de seleção para conhecer o dia a dia das grandes empresas, aprendendo sobre sua cultura e seus valores. São esperados mais de 10 mil visitantes para a próxima edição.

Para garantir a participação na XIX Semana de Recrutamento, os estudantes podem se cadastrar gratuitamente no site www.semanaderecrutamento.com.br ou presencialmente no dia do evento. Além disso, há possibilidade dos interessados se inscreverem no ciclo de palestras que acontecerá nos dias 6 e 7 de abril. A visitação acontecerá no campus no Mackenzie, em São Paulo, das 10h às 22h.

Serviços:

XIX Semana de Recrutamento do Mackenzie
Data: 4 e 5 de abril o evento; 6 e 7 de abril o ciclo de palestras;
Local: Prédio 17, Universidade Presbiteriana Mackenzie – Rua da Consolação, 930 - São Paulo;
Inscrição: Gratuita ( http://www.semanaderecrutamento.com.br/ );
Informações: (11) 3231-0206 / semanaderecrutamento@jrmack.com.br

Fonte: http://www.mackenzie.br/portal/dhtm/assessoria_comunicacao/imprensa/releases.php?ass=927&ano=2011

A Empresa Vista pelo Financeiro

Maiores informações, clique no link abaixo:
http://pt.scribd.com/doc/49656700/AULA-1-GFII

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Vagas para trabalhar em Grande empresa do Segmento Varejista:

ANALISTA CONTÁBIL (cód: A. Cont):

Residência: Osasco ou de fácil acesso à fábrica
Faculdade na área de exatas - Contabilidade
Informática: pacote officer com excel avançado
Experiência em sistema integrado, preferencialmente ERP LINXS
Atividades: toda rotina contábil, fechamento de imposto de renda, conciliação bancária
Salário: R$2.000,00 + VT + VR (R$ 10,00)

ASSISTENTE FINANCEIRO (cód: A. Financ)
Residência: Osasco ou de fácil acesso à fábrica
Ensino médio completo
Informática: pacote officer com excel intermediário / avançado
Experiência em sistema integrado, preferencialmente ERP LINXS
Atividades: rotinas na área contábil, baixa e conciliação bancária, contas a pagar e receber
Salário: R$1.500,00 + VT + VR (R$ 10,00)

GERENTE DE LOJA (cód: GN Loja)
Região: Granja Viana
Informática nível usuário
Perfil alinhado com a moda
Experiência em gerência de loja no ramo da moda
Salário: comissão (VT e VR aos sábados, domingos e feriados).

Os interessados devem enviar CV atualizado para Celina: celina.furlan@allis.com.br, informando o código da vaga de interesse no assunto.


LEANDRO FERREIRA
Assistente de R&S
55 11 2155-9683
leandro.araujo@allis.com.br
http://www.allis.com.br/


Divulgação:
ADMINISTRAÇÃO REFORMACIONAL